Marketing de Conteúdos

PES myClub Guide

PES myClub – a criação de um guia definitivo

PES myClub – a criação de um guia definitivo 1240 700 Bruno Brito

Nos últimos dias de 2018 decidi criar um guia para o simulador de futebol Pro Evolution Soccer, da Konami (disponível para PS4/XBOX/PC).

O que me motivou? A ausência de informação sobre o jogo, em particular sobre o myClub, um dos modos mais populares do PES 2019.

Apesar da sua popularidade, o myClub é particularmente complexo, e quando comecei senti algumas dificuldades em entender tudo o que podia fazer – o que me surpreendeu, considerando que já jogo PES há quase 2 décadas.

Assim sendo, fui procurar respostas online, mas a informação não abundava. Estava aqui uma oportunidade: compilar toda a informação disponível sobre o myClub para o PES 2019 e criar o guia definitivo do jogo.

E assim nasceu o PES myClub Guide.

Para chegar a mais gente, decidi escrevê-lo em inglês. Neste momento, o guia conta com mais de 8.000 palavras – o que significa que leva mais de 40 minutos a ser lido!

Muito do conteúdo surgiu de dúvidas minhas, mas foi também muito importante visitar os principais fóruns (como o Reddit) para entender as dúvidas mais frequentes e garantir que o guia se tornava acessível a qualquer “novato” no jogo.

Aqui, aprendi que é bastante importante facilitar a chegada de jogadores que vêm do jogo concorrente (o FIFA, mais concretamente jogadores do modo Ultimate Team) e que os leilões no PES são a componente que gera maior confusão.

Optei também por criar uma secção de dicas rápidas para jogadores que já estão familiarizados com o myClub, mas que ainda assim podem ter passado ao lado de alguns pontos.

Por motivos de SEO, optei por tornar este guia single-page, com um índice detalhado e sem qualquer imagem – para que o site carregue o mais rapidamente possível.

A performance foi na verdade uma das principais preocupações: o JavaScript foi mínimo, até porque o desafio principal estava relacionado com o design; como tornar um bloco gigante de texto convidativo ao leitor, e fácil de ler nos vários dispositivos?

Era esse o principal problema, mas fiquei satisfeito com a solução encontrada.

pesmyclubguide.com screenshot

E agora, o que se segue? A divulgação do site nas principais comunidades, para recolha de feedback e optimizações do conteúdo.

Tenho ainda 2 curiosidades que gostava de ver respondidas:

  • será que o conteúdo é demasiado longo para os leitores? Seria preferível um vídeo? Obviamente não estou à espera que cada leitor leia todo o guia, mas qual será o tempo no site que o Google Analytics me dará?
  • será que o guia sem imagens funcionará, ou terei que aumentar o peso da página?

A longo prazo não tenho qualquer ambição para este projecto, mas com os meus conhecimentos de Marketing Digital tentarei fazer o possível para que este guia chegue a todos os fãs do jogo – recorrendo sobretudo a técnicas de link building.

Mas, por agora, estou simplesmente feliz por já existir um guia para o viciante myClub do PES 2019! 🙂

Benefícios do Marketing de Conteúdos

Os vários benefícios do Marketing de Conteúdos

Os vários benefícios do Marketing de Conteúdos 1240 700 Bruno Brito

Já referi por várias vezes neste blog a importância de criar bons conteúdos. No passado, criei conteúdos tanto para as empresas por onde passei, como para alguns projectos pessoais, como este blog ou este projecto de Wrestling. Neste momento, continuo a escrever artigos com alguma frequência, sobretudo enquanto ghost writer.

Sempre existiu procura por produtores de (bons) conteúdos. Em Portugal, vejo cada vez mais marcas a apostar nesta prática.

Mas porquê? Vale a pena investir em Marketing de Conteúdos?

A minha resposta? Claro que sim! Vamos ver se ao longo deste artigo te convenço do mesmo. ????

Comecemos pelas definições…

Marketing de Conteúdos – O que é?

Podemos definir Marketing de Conteúdos como uma estratégia de uma marca que recai na produção de conteúdos (artigos, vídeos, imagens, podcasts…) com o intuito de entreter, inspirar ou educar o seu público-alvo, habitualmente nas plataformas onde essas pessoas se encontram – como blogs, fóruns ou redes sociais.

Recorrendo a esta prática, que é geralmente pouco intrusiva, as marcas conseguem algum tempo de antena da parte dos seus potenciais clientes, que tiram alguns minutos dos seus dias atribulados para consumir o conteúdo que a marca criou.

Ao fazermos isto, estamos a aumentar o tempo de interacção com a nossa marca – basta pensar na atenção que um vídeo de 5 minutos do YouTube pode receber, face a um simples outdoor no meio da auto-estrada, que é rapidamente esquecido.

Este é um argumento muito importante, mas não é o único ponto positivo.

Aqui ficam mais benefícios desta estratégia!

Constrói Credibilidade, Autoridade e Confiança

#1: Constrói Credibilidade, Autoridade e Confiança

A meu ver, este é o ponto mais importante. Ao produzir conteúdos sobre um tópico, estamos a demonstrar que queremos contribuir para essa indústria – seja através de ideias, reflexões, partilha de conhecimento, conselhos ou dicas.

Em praticamente qualquer indústria já existem várias marcas disponíveis para o consumidor. Aquelas que produzem conteúdos poderão posicionar-se como líderes de autoridade; ao demonstrarem que estudam o tema, que procuram conhecer as boas práticas e ao partilharem os esforços que estão a desenvolver para que a indústria melhore e avance.

Ao mesmo tempo, estão também a mostrar que são merecedores da nossa confiança. Porque se tens um problema que queres ver resolvido, certamente ficarás mais descansado em entregar o assunto a quem mostra que domina o assunto.

Ajuda as Pessoas

#2: Ajuda as pessoas

Enquanto consumidores, todos procuramos tornar-nos uma versão melhor de nós próprios – mais produtivos, mais inteligentes, mais atléticos, etc. No entanto, o nosso tempo é limitado para alcançar esses objectivos… e é aí que uma marca deve intervir, pois é sua responsabilidade criar as melhores soluções para lá chegarmos, com o tempo/esforço que conseguimos alocar para tal.

A distância que separa as pessoas das marcas é cada vez menor – a marca deve ter a iniciativa de liderar o caminho, mas procurar acima de tudo ajudar as pessoas pela viagem.

Com Marketing de Conteúdos, é possível partilhar os esforços que estão a ser desenvolvidos pela marca para ajudar a comunidade – assim, não só os consumidores poderão acompanhar o que está a ser feito (que poderá ser uma boa forma de uma marca criar hype à volta de algo que pretendem lançar), como até terão a chance de dar feedback durante o processo.

Muitos bloggers aproveitam este espaço para partilhar dicas ou descobertas – como eu, no Marketing Digital ou na Programação. São óptimas formas de ajudar pessoas interessadas nos mesmos tópicos.

#3: Ensina a Utilizar (e apresenta novas formas de utilizar os produtos)

A Adobe, responsável por aplicações marcantes como Photoshop, Illustrator ou Premiere, tem um espaço dedicado à formação, com todo o tipo de tutoriais: o Adobe TV.

Um dos objectivos? Fidelizar os utilizadores às aplicações. Se ficarmos mais confiantes e confortáveis em usar estas ferramentas, se decorarmos os atalhos de teclado, se conhecermos todo o potencial destas apps, dificilmente vamos querer passar para uma alternativa… e aprender tudo outra vez!

Noutros casos, o que precisamos é de dar a conhecer novas formas de utilizar os produtos – uma forma de fidelização. A Brisa, conhecida pelas Auto Estradas de Portugal e pela Via Verde, cria com frequência sugestões de escapadinhas de fim-de-semana, em parceria com hotéis, residências, ou organizadores de eventos – tudo para as pessoas utilizarem mais as suas auto-estradas.

Enaltece a comunidade

#4: Coloca a Comunidade em destaque

Algumas marcas têm fãs extremamente dedicados – como os adeptos de Star Wars ou da Apple.

Um blog ou um canal do YouTube poderá ser uma óptima forma de criar um “cantinho” para a comunidade – onde se entrevistam os maiores fãs de uma marca, ou se exibe alguma da fan art criada.

Para além de serem conteúdos relativamente fáceis de criar (porque grande parte do esforço fica do lado dos convidados), são uma óptima oportunidade para dar alegrias aos fãs, e criar um sentimento de pertença maior.

Pelo caminho, ganhamos embaixadores… e mostramos que não nos esquecemos de quem nos ajuda.

#5: Explica os processos… atraindo profissionais de topo

Empresas como a BaseCamp ou a Buffer (curiosamente 2 empresas em que se trabalha remotamente) estão continuamente a explicar os seus processos de decisão no blog.

A Buffer é uma das minhas marcas digitais preferidas, e um exemplo de transparência a seguir. Neste blog, podes ficar a conhecer um pouco de tudo – como contratam, como correu o mês, que alterações de gestão foram efectuadas e até os salários.

A BaseCamp, de Jason Fried e David Heinemeier Hansson, é conhecida não só pelo seu excelente produto, mas também pelas suas opiniões fortes e pelo seu contributo para o mundo open source. No seu blog é frequente encontrarmos partilhas de conhecimento interno, como formas de aumentar a produtividade dos colaboradores, decisões sobre implementação de novas funcionalidades, e até livros a ler.

Um dos grandes objectivos? Tornarem-se empresas apetecíveis para trabalhar.

Ao contribuirem para o Design, para a Programação ou para o Marketing, revelando como trabalham internamente, estão a aliciar outros profissionais a enviar o CV e a juntarem-se “à causa”.

Grande arma de SEO

#6: É uma excelente táctica de SEO

Sabes como é que os motores de busca funcionam? Então saberás que criando vários artigos com conteúdos semelhantes, com um conjunto de palavras-chave similar, estarás a facilitar a vida do Google, que entenderá perfeitamente do que é que o teu site se trata.

Isso será também importante para a angariação de links externos – o mítico PageRank – um factor super importante para subir umas posições nos resultados dos motores de pesquisa. Assim, o Google não ficará com dúvidas: este site é uma referência naquela indústria, porque outros sites também o estão a recomendar.

Pelo caminho, registarás também ganhos de notoriedade/visibilidade – afinal de contas, muitos potenciais clientes serão pela primeira vez expostos ao teu site/marca graças às pesquisas efectuadas.

Faz Dinheiro

#7: Faz dinheiro

Nem sempre é fácil medir o impacto do Marketing de Conteúdos nas vendas que consegue gerar, mas ainda assim, é relativamente seguro afirmar que contribui positivamente para a receita ao final do mês.

Por 2 motivos:

  1. Reduz o custo de aquisição de clientes;
  2. Muitos visitantes sentem alguma pré-disposição em contribuir monetariamente, como agradecimento dos vários conteúdos criados.

Olhando para o primeiro, é inegável que a produção de um artigo para um blog será uma acção bem mais económica que uma campanha de Facebook Ads ou Google AdWords – e, ao contrário destas últimas, não corre apenas enquanto há dinheiro, pois perdura no tempo. É, assim, mais interessante a longo prazo.

Por outro lado, podemos olhar para vários exemplos de criadores de conteúdos que, com o tempo, cresceram a sua comunidade e lançaram produtos (físicos ou digitais), muitas vezes seguindo o feedback dado pelos fãs.

Produtos pagos (t-shirts, livros, ou vídeos são escolhas populares) que, depois de tantos conteúdos gratuitos, muitos fãs não têm qualquer problema em adquirir, quase como agradecimento de todo o trabalho que ocorreu até lá.

Resumindo e concluindo…

O Marketing de Conteúdos é uma óptima forma de uma marca se dar a conhecer, seja a potenciais clientes, colaboradores, ou parceiros. Um esforço geralmente pouco dispendioso e que gera resultados a longo prazo, com vários benefícios pelo caminho.

Encontras mais vantagens? Tens alguma história para partilhar? Manifesta-te nos comentários!

Se quiser entrar em contacto comigo, pode enviar-me um e-mail para [email protected] ou preencher o formulário abaixo.

NOTA: Todos os campos são de preenchimento obrigatório.